quarta-feira, 4 de maio de 2011

Vida real

        Estava assistindo a CNN outro dia e ouvi a seguinte matéria: Apple cria aplicativo que rastreia a localização do usuário sem o seu consentimento. Na verdade, depois de pesquisar um pouco, descobri que a história não é bem assim. Entendi que a história segue assim: o sistema de GPS da nova versão de modelos de iphone e ipad da Apple vem com um sistema de base de dados que aceleram o processo da geolocalização mais rapidamente que os outros sistemas de GPS das empresas Google e Microsoft. A questão é que depois da polêmica a Apple afirmou que este sistema está com um bug ou seja, ele realmente apresentou problemas e que, já estão trabalhando para que a nova versão venha livre desses problemas. Além disso a empresa informa que a base de dados é sigilosa. Voltando a CNN. Os apresentadores estavam com os ânimos a flor da pele ao discutir esse assunto e duas opiniões foram apresentadas. A primeira é contrária ao localizador por considerar o ato como invasão de privacidade, já o segundo argumento relativiza esse conceito e afirma que o caso da Apple não constituiria invasão de privacidade porque tal invasão já existe, só não estamos conscientes disso.
        Esse é o ponto que queria chegar. A ideia do GPS nos telefones celulares nos remete mais diretamente à ideia de localizador de posições  mas, ao comprarmos algo com cartão de crédito não acontece a mesma coisa? E isso já vem acontecendo há muito mais tempo, só que ninguém parou pra pensar nas suas consequências como agora. A localização de usuários, seja por empresas como Google, Apple ou Microsoft ou seja pelas empresas de cartão de crédito ou seguradoras trazem uma questão alarmante. Além da consequência gravíssima de possiblitar a ação de um hacker que queira descobrir a localização de algum usuário e cometer atos perigosos, em último caso há também um controle da tecnologia por parte dessas empresas que submete as pessoas às empresas multinacionais através destes mecanismos de localização e rastreiamento, e isso é poder pra caramba! Nesse nosso mundo globalizado, onde todas as máquinas tecnológicas convergem para nos dar conforto e autonomia, a tecnologia acaba ocupando um lugar perigoso entre nossas ações cotidianas e acabam por construir um Big Brother de proporção mundial. Quem quiser ler uma matéria mais completa sobre esse assunto acesse : 

http://www.correiodoestado.com.br/noticias/apple-microsoft-e-google-explicam-polemica-sobre-rastreament_109296/


Foto: Reprodução web

Será que pega?

Um comentário:

Bené Souza disse...

É incrível que nos somos remetidos ao sistema panóptico.
No nosso caso, ainda achamos que é para o nosso bem.
Vivemos uma "matrix" consentida.